Notícias


Presidente da Sicredi Univales, participou de audiência publica sobre questões indígenas em Brasília junto com lideranças do setor rural de MT.

   14/05/2013
Fonte: Assessoria de Comunicação   

O presidente da cooperativa de credito sicredi Univales Juares Antonio Cividini esteve em Brasília acompanhando a comissão formada por produtores rurais de Mato Grosso, comerciantes e a sociedade em geral na audiência pública sobre a questão indígena no brasil.

O evento foi convocado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, para esclarecer sobre as demarcações de terras indígenas no Brasil. A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) mobilizou os produtores do Estado para participarem da audiência.

Uma comitiva de seis ônibus dos municípios de Nova Nazaré, Alto da Boa Vista, Porto Alegre do Norte, Ribeirão Cascalheira e Juína estiveram presentes.

Da região do Vale do Juruena, Aripuanã, Guaporé, Arinos e Ximari além do presidente da Sicredi Univales Juares A. Cividini, participaram, Hermes Bergamim prefeito de Juina, Robson Amorim Secretario de Planejamento da Prefeitura de Juina, Arnaldo presidente do Sindicato Rural de Cotriguaçu, Jarbas de Aripuanã e Ronaldo Zan representando o Sindicato Rural de Juina.  

A audiência teve a presença de mais de 1.700 produtores, trabalhadores e assentados rurais de todo o Brasil, durou aproximadamente 6 horas, foi realizada no dia 8 de maio, em Brasília. O principal objetivo do encontro foi obter da ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, esclarecimentos sobre as demarcações de terras indígenas conduzidas pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

A ministra falou sobre as grandes demarcações que já ocorreram nas regiões Norte e Centro-Oeste, mas reconhece que há ainda, questões pontuais a serem resolvidas. Informou que a Casa Civil pediu ao Ministério da Justiça a suspensão de estudos da Funai referentes à demarcação de terras indígenas no Paraná, devido às divergências entre o estudo apresentado pela Funai e a Embrapa. Ela também declarou que os estados da Bahia e de Mato Grosso serão incluídos nesses estudos para embasar a identificação e a demarcação de terras indígenas. Outro fato relevante foi o compromisso feito pela Ministra de incluir outros órgãos, além da Embrapa, para realizar esse estudo, a exemplo dos Ministérios de Desenvolvimento Agrário e da Agricultura.

A ministra se comprometeu a apresentar, até o final do semestre, uma definição sobre os procedimentos para demarcação de terras indígenas no Brasil. Pediu, inclusive, que todos os produtores que tiverem problemas de demarcações e que possam comprovar a sua legalidade, encaminhem as documentações para a análise do Ministério. Declarou que o governo vai buscar os procedimentos para medir e qualificar os estudos e processos demarcatórios.

De acordo com ela, o novo processo de demarcação de terra indígena será regulamentado ainda este ano. “Estamos criando sistema de informações em que participam diversos órgãos do governo para qualificar os estudos solicitados pela Funai. Já temos mais três Estados com informações levantadas pela Embrapa, que são Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Se as informações mostrarem divergências, vamos adotar os encaminhamentos devidos”, informou a ministra.

Assessoria Comunicação

Sicredi Univales.