Notícias


“Cooperativas se mantêm fortes em tempos de crise"

   05/07/2013
Fonte: (Fonte: ACI / Tradução: Sistema OCB)   

No próximo dia 6 de julho será comemorado o 91º Dia Internacional das Cooperativas da ACI e o 18º Dia Internacional das Cooperativas, declarado pela Organização das Nações Unidas

 

Internacional, 1/7/2013 - O Dia Internacional das Cooperativas, celebrado em 6 de julho de 2013, tem como tema “Cooperativas se mantêm fortes em tempos de crise”. O tema é ainda mais oportuno à luz da atuação de outras formas empresariais, que enfrentam as atuais dificuldades econômicas mundiais.

As empresas comuns sofrem hoje uma crise de insustentabilidade econômica, social e ambiental, enquanto o modelo cooperativo demonstra continuadamente uma grande resiliência em tempos de crise. A crise financeira foi um exemplo épico dos perigos de valorização dos ganhos de curto prazo sobre a viabilidade em longo prazo. A crise global que enfrentamos deriva de um modelo de negócio que põe o retorno financeiro à frente das necessidades humanas, um modelo que procura privatizar ganhos, mas socializar as perdas. 
 
Existem provas consideráveis de que a diversidade de tipos societários contribui para um setor financeiro mais estável no seu conjunto. Ao colocar as necessidades humanas no seu cerne, as cooperativas respondem às crises atuais de sustentabilidade e oferecem-nos uma forma diferente de ‘valor partilhado’. Acresce que o modelo cooperativo não foi vítima do engano que afligiu o modelo capitalista durante mais de vinte anos, que considerou o desempenho financeiro como o indicador central para uma boa empresa. Muito simplesmente, uma cooperativa é uma busca coletiva da sustentabilidade, já que procura “otimizar” resultados para uma gama de partes interessadas em vez de maximizar benefícios para uma só delas.
 
Sendo assim, à medida que a situação endurece, toda a mão de obra, e não apenas alguns dirigentes, é vista como vital para o bem estar da cooperativa. Certamente, a população global também tem sido fustigada pelas práticas e, ultimamente pelo fechamento, de numerosos grandes bancos. As instituições consideradas seguras para investimentos e depósitos, afinal eram fracas e mal geridas. As cooperativas financeiras, porém, portaram-se frequentemente melhor.

As cooperativas de poupança e crédito e os bancos cooperativos continuaram a crescer, outorgando créditos em especial a pequenas e médias empresas, e mantiveram-se estáveis nas diferentes regiões, criando indiretamente diversos empregos. É a sua combinação única de propriedade, controle e distribuição de resultados compartilhados entre seus membros que constitui o elemento chave desta resiliência e garantia de vantagens sobre os seus concorrentes. Como as cooperativas financeiras representam uma parte surpreendentemente grande do mercado bancário global, é importante conhecer melhor este modelo. 
 
Um recente relatório distribuído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e escrito pelo Professor Johnston Birchall, examina as cooperativas financeiras desde as suas origens, na Alemanha, nos anos 1850, até o movimento global que elas representam atualmente. Birchall explica numa entrevista à OIT como que antes da crise, economistas previram que as cooperativas financeiras iriam ser menos eficientes que os bancos privados, já que não remuneravam os seus gestores com ações. Contudo, a crise provou que as cooperativas financeiras arriscaram menos que as sociedades bancárias anônimas, sobretudo porque os seus gestores não receberam parte dos resultados. 
 
“A estabilidade e a aversão ao risco estão inscritas no DNA das cooperativas financeiras. Sendo empresas geram e devem gerar excedentes, mas os seus excedentes convertem-se em reservas que lhes asseguram a força financeira e põem-nas ao abrigo dos problemas que são originados pelas exigências de capital próprio, impostas pelos agentes reguladores.” 
 
“Em outras partes do mundo, as cooperativas de poupança e crédito não sofreram perdas em 2008. Não viveram a crise bancária. Continuaram a crescer paulatinamente, com regularidade e sem dramas.” Outra vantagem das cooperativas em tempo de crise também não deve ser esquecida: a sua dimensão social. Em um momento em que as economias encolhem e os governos são pressionados a diminuírem as garantias sociais, as cooperativas oferecem muitas vezes a boia de salvação. Contribuem para o capital social por formas que as empresas de base acionista não o fazem. 
 
As cooperativas desempenham ainda um papel fundamental na prestação de serviços de saúde, que de outra forma seriam fornecidos pelos seguradores privados ou pelo Estado, ou mesmo que nem sequer seriam fornecidos em virtude dos cortes nos orçamentos estatais. E, claro, não se pode omitir uma grande vantagem das cooperativas de consumo: a capacidade de oferecer ao público custos mais baixos para alimentação e outros bens essenciais – algo vital em um momento em que os seus salários diminuem ou não existem. 
 
O Dia Internacional das Cooperativas, 6 de Julho de 2013, dá-nos a oportunidade de refletir sobre tudo o que as cooperativas fizeram nos períodos de menor ou maior prosperidade, e de reiterar o nosso compromisso em garantir que os valores deste modelo empresarial continuem a gerar maior atenção e apoio a nível mundial. É um modelo que funcionou e funcionará sempre.

(Fonte: ACI / Tradução: Sistema OCB)