Notícias


Mercado financeiro prevê crescimento do PIB de 2,3% em 2020

   02/01/2020
Fonte: Veja    

Economistas consultados pelo Banco Central estimam que a economia do país crescerá na casa dos 2,30% no próximo ano. A projeção está no Boletim Focus, pesquisa feita com bancos e instituições financeiras, divulgada nesta segunda-feira, 30. A estimativa do relatório é ligeiramente maior que a previsão da semana passada, em que o Produto Interno Bruto (PIB) ficaria em 2,28% para 2020. Os dados mostram otimismo do mercado financeiro para o próximo ano, com a consolidação da recuperação econômica. Caso a projeção se confirme, será o maior crescimento desde 2013, quando o PIB avançou 3%.

De acordo com os economistas, o PIB deste ano deve ficar em 1,17%, acima do crescimento de 2018. O resultado oficial do PIB de 2019 deve ser divulgado em março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que é responsável pelo cálculo do indicador.

Para 2020, o mercado financeiro elevou de 3,60% para 3,61% sua estimativa de inflação. No próximo ano, a meta é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar de 2,5% a 5,5%. A expectativa para 2019 é que o IPCA feche o ano a 4,04%. Esta é a primeira vez, desde junho deste ano, que o mercado estima inflação acima de 4% para 2019. De toda a forma, o indicador deve terminar abaixo da meta do governo, de 4,25% para este ano, mas dentro da margem de tolerância que varia entre 2,75% e 5,75%.

Outros indicadores

O mercado manteve a previsão para a taxa básica de juros da economia, a Selic, no fim de 2020 em 4,5% ao ano. Atualmente, a taxa de juros já está nesse patamar, o menor da história. Com isso, o mercado segue prevendo juros estáveis no ano que vem. O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne no início de fevereiro para definir sobre a política monetária em 2020 e, em sua última reunião, fez mistério para onde pode caminhar a taxa.

Publicidade

No câmbio, o mercado financeiro projeta que o dólar termine 2020 vendido a 4,08 reais. A previsão para este ano permaneceu em 4,10 reais por dólar. Na última sexta-feira, a moeda americana fechou o pregão cotada a 4,05 reais, o menor valor desde novembro.